Copy
Retirada de sobrenome em razão de casamento.
View this email in your browser

MUNDO   NOTARIAL®
www.mundonotarial.org

Boletim MUNDO NOTARIAL® – Ano MMXV - São Paulo, 08 de julho de 2015.
 

O Superior Tribunal de Justiça admitiu retirada de sobrenome em razão de casamento.

É possível suprimir sobrenome materno por ocasião do casamento, desde que demonstrado justo motivo e que não haja prejuízo a terceiros. A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que entendeu que a supressão devidamente justificada efetiva importante direito da personalidade, desde que não prejudique a plena ancestralidade nem a sociedade.

A ação foi iniciada com a solicitação de retirada do sobrenome materno e paterno da certidão de casamento da mulher por não representar sua legítima vida familiar. A sentença e o acordão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) admitiram que fosse retirado o sobrenome materno, porém mantido pelo menos o paterno, possibilitando o acréscimo dos sobrenomes do marido.

Entretanto, no recurso ao STJ, o Ministério Público de Santa Catarina afirmou que a supressão do sobrenome “não encontra respaldo no ordenamento jurídico brasileiro”, que somente faz referência à possibilidade de acréscimo do sobrenome, e não da sua exclusão.

Excepcionalidade:

De acordo com o ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, relator do recurso, a alteração do registro civil é admitida em caráter excepcional, por decisão judicial, nas hipóteses legais, devendo ser justificada e não prejudicar terceiros.

Segundo o ministro, apesar de o Artigo 57, parágrafo 2º, da Lei Federal nº 6.015/1973 – Lei de Registros Públicos – e Artigo 1.565, parágrafo 1º, do Código Civil expressarem apenas a possibilidade de acréscimo ao nome de quaisquer um dos noivos, a interpretação jurisprudencial caminha para outra solução.

Villas Bôas Cueva explicou que o nome deve retratar a “própria identidade psíquica do indivíduo” e que sua função é “identificar o núcleo familiar da pessoa”, de forma a evidenciar “a verdade real”, ou seja, a unidade familiar no caso concreto.

Ele assegurou que não existe no ordenamento jurídico qualquer impedimento para a supressão de apenas um dos sobrenomes. Conforme os autos, o pedido foi justificado no fato de a requerente ter sido renegada durante a vida por sua família materna. Além disso, a supressão do sobrenome “não impedirá sua identificação no âmbito social e realiza o princípio da autonomia de vontade”, afirmou o relator, confirmando a decisão do TJSC.

Fonte: http://www.stj.jus.br
Data de Publicação: 22/06/2015


O presente Boletim visa dar aos seus leitores a possibilidade de contato com alguns temas de interesse do site MUNDO NOTARIAL®, cuja meta é coletar informações e/ou indicar endereços sobre assuntos notariais e de registros, sempre dando o devido crédito aos seus autores. Não obstante, aquele que das informações aqui se servir deverá ter em mente que as únicas, oficiais e seguras fontes são aquelas emanadas do próprio criador ou de seu representante legal ou da Imprensa Oficial, conforme o caso, devendo à estas se reportar, para se assegurar e não ser prejudicado. Além disso, todas as informações têm exclusivamente cunho didático e/ou científico, inexistindo qualquer compensação monetária. Ainda, segundo princípios do Direito Internacional, em que se consubstancia a Rede Mundial de Informações - Internet, toda e qualquer reprodução contida neste boletim poderão ser divulgadas livremente, desde que seja mencionada a sua fonte e dado o devido crédito ao seu autor (Lei nº 5.988, de 14/12/1973 - Regulamento de Direitos Autorais).
 
Like info@mundonotarial.org on Facebook

Mundo Notarial

952 followers
337 tweets
following 254 people
follow

Pelos links abaixo você poderá atualizar os seus dados, ou deixar de receber nosso Boletim:
Deixar de receber: unsubscribe from this list   Atualizar dados:  update subscription preferences